A missão de Dr. Sandro

Nos anos de missão Alessandro repetia à esposa: "Devemos fazer-nos pequenos na escola dos pobres". E dizia também: "Temos Jesus na Eucaristia, devemos vê-lo e cuidar dele nos nossos irmãos!"

O seu amor pelos pobres e doentes do Brasil deixou um sinal, tanto que, ainda hoje, depois de tantos anos, ele é lembrado com saudade.

Aldenor, um doente de hanseníase assistido pelo Dr. Alessandro em um leprosário na Amazônia, recorda:

"O doutor Alessandro era um homem maravilhoso, nunca o vi com raiva, estava sempre alegre. Dava conselhos a nós doentes e falava muito conosco. Quando eu estava mal, vinha imediatamente ver o que eu tinha. Trabalhava todo dia, cuidando da gente e, à noite, mais ou menos à uma hora, dava uma volta nos pavilhões do leprosário e nos dizia: 'Se precisarem de algo, basta chamar-me. Eu estou aqui para isso! 'Ele nos amava muito e tinha muita paciência. Era um homem que me dava esperança, que me encorajava. Era muito piedoso, muito caridoso, era um homem de Deus."